Antes de qualquer coisa, calma! Isto mesmo apenas calma para lidar com essa situação que cada vez se torna mais comum no nosso universo do Treinamento Personalizado. Afinal, precisamos estar bem, pacientes e, acima de tudo, resilientes para lidar com estes (e outros) problemas de saúde dos nossos clientes.

Por mais que tenhamos o discernimento que o desenvolvimento da carreira de Personal Trainer sempre esteve altamente ligado ao fitness e a estética é notório perceber que houve um direcionamento e enfoque da nossa atuação para a saúde e o bem estar, que acredito ter ocorrido por duas grandes razões:

Na verdade, duas grandes necessidades! E qual delas veio primeiro, Marcelo? Qual é a mais importante? Penso que ambas se deflagraram de forma simultânea e em um processo de efeitos recíprocos. Vamos aos exemplos, o título deste texto retrata aspectos ligados aos maus hábitos, isto é, dormir mal, comer de forma desordenada e o estresse descomunal, que por si só são potencialmente nocivos e que de quebra ainda contribuem de forma direta para o aumento dos índices de doenças crônicas (diabetes, hipertensão arterial, depressão, obesidade) no Brasil.

Estes maus hábitos somados a questões da vida moderna e de aspectos epidemiológicos (a incidência das doenças em si) acarretou a exigência no mercado de termos profissionais que saibam lidar com a promoção da saúde e do acompanhamento personalizado nos exercícios físicos impactando na formação de um perfil de profissional que alie conhecimentos sobre sinais e sintomas de doenças, ferramentas de coaching, métodos de gerenciamento de estresse e relaxamento mente-corpo, onde os Personal Trainers que “fizeram este dever de casa” se diferenciaram no que se refere ao padrão de serviço ofertado ao cliente, provendo assim, uma solução mais integral e eficaz ao aluno que nos paga!

Este é um lado da estrada, mas saiba que ela, de fato, é de mão dupla! Devido ao exacerbado aumento de cursos de graduação em Educação Física e o efeito consequente da grande concorrência na área de Treinamento Personalizado, muitos profissionais por conta da “sobrevivência da diferenciação” foram praticamente obrigados a se reinventarem, a se redescobrirem e muitos deles (eu me incluo aqui com o desenvolvimento da Metodologia Saúde 360° e, consequentemente, do Personal Zen!) trilharam a rota da inclusão de técnicas facilitadoras de um estilo de vida saudável ao cliente, estudando e esmiuçando as doenças crônicas e os hábitos de vida maléficos como trampolins de impulso à manutenção e a conquista de novos clientes, concebendo assim um novo e arrojado posicionamento no mercado.

Assim, o desabafo: “Meu aluno não dorme, come mal e está altamente estressado!” não chega a retratar um grito de apoio em busca de outros profissionais para que saibamos que temos colegas, por vezes, com alunos até mais doentes do que os nossos, mas, sim uma convicção de que cada vez mais a sociedade brasileira está com necessidades de profissionais que mudem esta frase para o tom positivo (meu aluno dorme bem, se alimente de forma equilibrada e tem um bom equilíbrio psicofísico) e que, de fato, precisamos gerenciar a qualidade de vida do cliente de A a Z, sendo o real promotor da saúde dele, configurando desse modo um posicionamento diferente e permanente na mente dos nossos clientes!

Abraços, Prof. Dr. Marcelo Anselmo.